Era uma vez, dois esqueletos que se amavam…

Não poderia deixar de fazer um post com esse vídeo. É uma campanha contra a discriminação que levanta as diversas formas em que essa discriminação pode acontecer.

Como professora de Educação Física, queria levantar uma questão que está presente na escola, entre nossas crianças e nossos jovens: a discriminação pelo corpo. O baixinho, a gordinha, o magrelo, a grandona, o barrigudo, a miudinha, o desengonçado, aquele que anda assim, aquela que corre assado… Desde de crianças estamos sujeitos a sermos rotulados, e como se isso não bastasse, fazemos o mesmo: rotulamos nossos colegas!

Quantas vezes nas aulas de educação física, nós sentimos envergonha do nosso corpo? E quantas vezes fomos deixando de lado nossa vontade de brincar, jogar, dançar, pular corda, correr porque nossos corpos ficariam muito expostos?

Então levamos essa vergonha para a vida toda…Afinal, os rótulos não acabam na escola. Lá está a mídia, sempre impondo o padrão de beleza, o corpo perfeito. E o que nós fazemos com essa imposição? Ajudamos a mídia a reforçar esses padrões? Nos tornamos escravos ou vítimas? Lutamos contra ela? Vamos continuar rotulando nossos colegas de trabalho, faculdade ou familiares? O que vamos ensinar para nossos alunos na escola? Como vamos agir numa situação de discriminação? O que vamos ensinar para nossos filhos?

Enfim, somos apenas pessoas, somos apenas esqueletos tentando ser felizes!

Anúncios